Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

riscos_e_rabiscos

.

.

S.O.S Amizade

Caros amigos blogistas,

É só para vos informar que hoje não há post para ninguém. Vou em socorro da minha comadre/melhor amiga que está a atravessar uma fase muito má.

Mas fiquem descansados que amanhã colocarei aqui uma reflexão e acabarei de responder aos vossos comentários!

Xinhus grandinhos!

A Professora é Estúpida!

 

Tenho de deixar aqui um desabafo, partilhar uma coisa convosco.

Ontem, como sempre, à última hora tive a aula do meu 4º ano. Cheguei lá atrasada praí um minuto. Bato à porta e abro-a. Deparo com uma cena aterradora. Perguntei se podia entrar, depositei as minhas coisas em cima da secretária e encostei-me a ela em silêncio.

 

Estava estupefacta com aquilo que os meus olhos viam mas mantive-me em silêncio. Até as entranhas se me revoltaram. Como profissional que sou, não interferi na cena. Há um fenómeno chamado “desautorizar a professora”. Por isso, mantive-me leda e queda.

 

A prof. de música estava completamente histérica e descontrolada. Olhos fora de órbita, completamente vermelha e esganiçada a gritar com alguns alunos. Um dos alunos chorava desalmadamente, outros dois tiveram a “audácia” de lhe responder ao que ela estava a dizer. Ela ainda se passou mais. Esticou o indicador direito, espetou-o em direcção ao nariz do miúdo e com a outra mão segurou-o por um braço. A cara dela ficou a 2 cm da cara do miúdo. Pensei que ela se iria armar em Hannibal, the canibal. Estava mesmo a vê-la dar-lhe uma dentada. O miúdo que chorava desalmadamente estava completamente alterado e rangia e cerrava os dentes de raiva. Finalmente, a brutamontes pegou nas coisas dela – quase que levava a cadeira dos profs atrás – e foi-se embora.

 

Pensei imediatamente “mais uma vez esta energúmena me estragou a minha aula!”. Os miúdos estavam super nervosos e revoltados e eu só os ouvia dizer que era “injusto”.

Pensei que o melhor era o assunto ficar por ali e ir embora com a brutamontes. Por isso, comecei a minha aula por dizer que não queria saber o que tinha acontecido e que queria que eles se acalmassem. Pedi para fazerem um minuto de silêncio e mandei o aluno choroso ir lá fora dar uma voltinha para se acalmar e lavar a cara.

A coisa acalmou mais um pouco mas houve um constante burburinho pois a turma estava solidária com o aluno choroso e sentiam-se todos extremamente injustiçados.

 

Dei a minha aula num ambiente de cortar à faca e, às tantas, também eu tive que levantar a voz, pois apesar de tudo, a matéria era nova e eles tinham que tomar atenção para perceberem. Contudo, eu estava do lado deles e seria a primeira a defendê-los.

 

Como sempre o A., não fez absolutamente nada na aula. A pedido do Dr., levei-o junto dele para que o aluno explicasse o porquê de não ter feito nada na aula. E até é muito inteligente. Eu aí pus a boca no trombone e perguntei ao A. se ele estava assim por causa do que se tinha passado em música. Para variar o A. não respondeu e ainda levou uma descasca do Dr.. E foi aí que eu disse que se passou algo na aula, que eu não sabia o quê, e a turma estava toda nervosa. O Dr. Fez uma expressão de furibundo e disse que no dia seguinte iria ver isso.

 

Quando me vim embora fui escoltada por 4 alunas abraçadas a mim e foi aí que elas me contaram o acontecido. Parece que um grupo de alunos partiu um instrumento a um aluno e a prof. disse que tinham todos que pagar. Resumidamente foi isto.

Acho que não valia a pena uma estupidez tão grande. E só mais uma perguntinha, se eu todos os dias conto ao Dr. como a turma se portou e se houve problemas, porque é que a brutamontes não contou o sucedido? Encontrei uma encarregada de educação a quem também referi que “se passou algo na aula de música”.

 

A brutamontes é mesmo embirrante. Ninguém a grama. Vamos lá ver as cenas dos próximos acontecimentos.

 

Em Nome do Palavrão

 

 

Não sei se vocês já tiveram conhecimento, eu só tive hoje, do novo serviço telefónico dos CTT. Parece que também entraram no mercado das operadoras móveis. Até aqui nada de mais. É mais uma. E se for de baixo custo, melhor ainda. Nós queremos é chamadas baratinhas, de preferência à borla. Certo?

 

Mas o busílis da questão está no nome. Jamais em tempo algum me ocorreria tal coisa. Até eu teria criatividade e imaginação para criar um nome melhor. O tão controverso nome é phone-ix. Agora leiam lá a palavra depressa… Ah pois é!!! Sou mesmo a palavrão disfarçado. Ora eu quando estou irritada e apetece-me dizer uma asneira cabeluda, digo fónix, ou fokas (adaptação minha!)…

 

Já se imaginaram a ser clientes fónix? “Fónix! Boa tarde, em que posso ajudá-lo?” O que é que isto parece? Que a outra pessoa do lado de lá se entalou e escapou-lhe uma palavrão disfarçado quando afinal é o cumprimento da empresa…

“Ah e tal, qual é a tua operadora de telemóvel?” “Fónix!” “Olha lá, fiz-te algum mal para estares a dizer essas coisas?” “ Não, pá… tas mesmo desactualizado… está é a nova operadora de telemóveis!” “ Ò Manel desculpa lá, mas eu fónix só tinha ouvido o meu puto a dizer lá em casa… não sabia que agora também já se podia atribuir o nome de asneiras a empresas… será desta que eu vou montar a minha loja dos trezentos… até já tou a ver o letreiro Preços do C@#@&%*”.

 

Agora pergunto eu: os nossos criativos têm tão pouca imaginação que têm de utilizar uma imitação fonética de asneiredo para atingir o seu target? Não posso acreditar! Nós até somos um país de idiotas (entenda-se com muitas ideias!)!

E a administração que aprovou o nome? Foi de propósito para gerar polémica ou esqueceram-se do cérebro em casa no dia da reunião? Concerteza estariam a pensar nas próximas férias de Natal passadas nas Maldivas e alguém pensou alto: “Fónix! Tenho que estar aqui nesta seca em vez de estar a dar umas tacadinhas de golfe…” Aplauso geral. Está aprovado! E assim nasceu uma nova operadora de telemóveis a partir de um desabafo de alguém entediado!

 

Dizem que esta operadora destina-se a pessoal jovem. Lá está. Substimam-se os jovens e a sua capacidade intelectual. “Fónix! Tu tens um telemóvel da phone-ix?! Eu deitava essa m€rd@ fora… Bueda fatela!

Outro pormenor que se esqueceram… a maioria da clientela dos CTT são idosos. São pessoas antigas, que têm outra mentalidade e no tempo da sua juventude não se dizia palavrões (digo eu!). Oferecem no Natal um telemóvel ao avô. Vai um primo pequeno e pergunta “Ó vô o teu telemóvel é de que operadora?” E o avô engole em seco e responde “Ó filho, o avô não pode dizer porque é uma asneira…” E o puto fica a olhar para o avô a pensar que este pirou da batatinha!

 

Por amor da santa, quando decidirem criar nomes para as coisas, vejam lá se não têm de recorrer a asneiras disfarçadas… Prometem?

 

 

Welcome to Your Mind

O prometido é devido, por isso, aqui está o desafio elaborado pela ExIsTêNcIa e pela Pessoinha. Já sabem, caros amigos bloguistas, que agora serão intimados a responder a mais este desafio…! Não aceitamos não como resposta! :)))

 

O que te choca: A toxicodependência, a miséria, os maus tratos a crianças e a idosos e também aos animais.

 

O que te arrepia: A pele de pêssego... argh!

 

O que te excita: Errr... não posso revelar os pormenores mais pudibundos... revelo apenas os menos chocantes: beijos no pescoço e orelhas, beijos na boca, beijos nos seios e na barriga. Fiiim! :P

 

O que te solta: Rir desenfreadamente... até sentir uma tonteira incontrolável.

 

O que te faz rir: Uma boa piada, aquelas "saídas" ingénuas das crianças, boas cenas de humor.

 

O que te faz chorar: Tanta coisa... filmes de amor, ver animais mal tratados, ver pessoas em estado terminal, ver crianças de rua sem ninguém que as ame...

 

O que te causa náuseas: Maus cheiros, a falta de lavagem de algumas pessoas, mau hálito, cheiro a suor, gelatina, carne de borrego, de cavalo ou de avestruz.

 

O que te falta para seres feliz: Estabilidade económica.

 

O que te traz infelicidade: Pensar que pode acontecer alguma coisa às pessoas que mais amo. Pensar que um dia os meus pais partirão.

 

O que te magoa: A ingratidão de algumas pessoas. Que não me tratem da mesma maneira que eu trato os outros.

 

O que desejas: Ser feliz e ter um filhote com o N.

 

O que receias: Nunca conseguir ter condições para ter um filho meu.

 

O que não queres perder: Muitas coisas... desde a saúde, o caminho da felicidade, as forças para lutar, até ao poder de sonhar.

 

O que queres alcançar: A construção de um negócio próprio.

 

Uma data que abomines: Não há nenhuma em especial.

 

Uma festividade que adores: Gosto do Natal e de tudo o que ele representa.

 

Uma qualidade que aprecies numa pessoa: A sinceridade.

 

Uma característica que abomines numa pessoa: O cinismo.

 

Uma mentira que tenhas dito: Eu não sei mentir, apanham-me logo. Talvez algo sem importância tipo "tenho uma enxaqueca e não posso dar explicação".

 

Uma nostalgia: Dos bons momentos vividos com as minhas amigas e com o N.

 

 

Este desafio deve ser passado a 5 amigos. Eu passo-o aos seguintes blogs :

 

pintas tintas e manias

 

Salpicos de Luz

 

Crisálida

 

OceanodePensamentos

 

Trinta ao virar da esquina

 

 Divirtam-se!

 

Uma Questão de Grafismo...

 

 

 

- Ó teacher, que letra é aquela?

- Que letra, João?

- Aquela…

- O “efe”?

- Não…

- O “tê”?

- Não… Aquela que parece um vulcão…

 

(Dez segundos a pensar….)

 

- Aquela que está mais para ali teacher… a que parece um vulcão…

 

(Epá… com esta é que me tramaste… finalmente faz-se luz!)

 

- Ah, o “rê”!!!

- Sim!

- Pois, realmente só falta ali a lava a saltar!

 

 

Este episódio passou-se hoje na minha aula do 2º ano. O João tem um ar angelical, diria mais, de pãozinho sem sal. Foi mesmo engraçada a cena!

 

Que Raiva!

 

Sou uma pessoa super solícita e que está sempre ao dispor dos outros. A minha mãe sempre me criticou e deu na cabeça por este motivo e, no fim das contas, ela sempre teve razão.

 

Sempre gostei de ajudar os outros incondicionalmente. Sou assim. Quem me conhece sabe que eu vou logo correndo se alguém precisa de mim.

Mas às vezes o contrário não acontece. Quando chega a minha vez de precisar de alguém, às vezes não há “disponibilidade”. Acabei por aprender a contar só comigo e pouco mais. Afinal, se não formos nós a resolvermos os nossos problemas, quem os resolverá? Sim, é bom e eu gosto de ouvir opiniões. Gosto que me chamem à atenção para pequenos pormenores pois quem está de fora vê melhor as coisas.

 

Mas outra coisa diferente é o abuso de confiança. Não nos importamos de ceder uma vez, duas vezes… mas à terceira já torcemos o nariz.

Eu sempre tive um lema: “antes desejada que aborrecida”. Se calhar perco com isto, mas fazer o quê?!

Detesto que tentem manipular a minha vida. Detesto que depois de combinar as coisas, as tentem alterar só porque “dá mais jeito” à outra pessoa. Acontece que eu ajusto e organizo a minha agenda e o meu tempo disponível para poder assumir compromissos. Agradeço que a outra parte faça o mesmo…

 

Agendar para outro dia a uma hora tardia… Nem pensar! Estou doente e não me pagam para isso. Já faço um favor e ainda querem dado e arregaçado?! Não pode ser. Sou boa mas não tanto. E não obedeço a caprichos.

 

É o jogo do tudo ou nada onde eu é que dito as regras. Quem quer aceita, senão pode ir inscrever-se num centro de explicações. Pagará o dobro, se faltar à explicação paga na mesma e não há cá reajustes de horários…

Acabou-se o tempo das cedências…

 

Porque No Te Callas?!

 

Aviso à navegação (atchim!): fujam pois estou com uma constipação do caraças!

 

Pois é minhas amigas, não sei como isto aconteceu (atchim!). Não sei se foi da aragem matinal, ou do frescor da noite, dos pés gelados ou da explosão de estrelas e cometas, mas o que é certo é que a constipação apanhou boleia no meu organismo!

 

Já lhe dei antihistamínicos, paracetamol, pulmicort e cama quentinha. Ela gostou e acalmou-se um bocadinho. Mas desta vez não veio sozinha: trouxe a tosse com ela! Ocorreu-me agora que talvez o culpado até tenha sido o meu irmão… A semana passada, o S. teve um grande ataque de asma. Esteve a oxigénio, soro, aerossóis e levou mais umas piquinhas. Esteve mesmo mal, coitado do meu putinho. Se calhar foi ele que me pegou a constipação (atchim!) .

Resultado, estou toda avariada do aparelho fónico. Tou com tosse que me afecta a garganta e a voz, tou com o nariz todo avariado, a pele do nariz estalada e os lábios todos encieirados. Quilos de creme em cima mas mesmo assim…

Anda uma pessoa a gastar rios de dinheiro em esteticista para depois vir uma constipação e estragar tudo (atchim!)!

 

Vim da escola mais morta que viva e mesmo assim os miúdos nem se portaram mal. A voz foi-se um bocado abaixo mas em compensação os atchins não perturbaram as aulas. Vinha tão quentinha no bus… mas depois cheguei ao fim e tive de enfrentar o frio cortante. Brrr!

Saiu-me o Euromilhões...

 

Não estava à espera e fiquei completamente surpreendida! Afinal não sai só aos outros. Joguei ao calhas, não escolhi números. Partilhei o prémio com mais alguém. Que falta que estava a fazer este dinheirinho! Já fui tratar de tudo para levantar as massas.

Mas agora estou com um dilema: não sei o que hei-de fazer com o que ganhei. Fazem-me falta algumas coisas mas não sei se hei-de investir ou gastá-lo já todo... hummm... Aceito sugestões!

É pena o euromilhões só me ter saído no meu sonho... :/ E vejam lá como eu sou que até a sonhar sou pobre a pedir. Sabem de quanto era o prémio? Três mil euros!

Diz o povo "quem não chora não mama" e é bem verdade. Vou começar a subir a fasquia e a pedinchar mais...

 

 

Uma Garfada de Amor

 

 

Não sei se já vos disse mas o N. é um rapaz muito prendado, daqueles que sabe fazer comida, bricolage, arranjar máquinas e ainda mais algumas coisinhas. Só falta aprender a fazer tricot e crochet mas ainda não perdi a esperança…

Também já perceberam que eu gosto muito de o picar e fazer o que eu chamo “maldades de amor” (Ihihihih!).

 

Ora estava o homem dos sete ofícios à volta do fogão a fazer o nosso jantarinho, quando eu venho da sala e passo por trás dele. Todos sabem que quando estamos a escrever no computador ficamos com os dedos iguais a pedras de gelo. E eu tinha estado a comentar e a responder aos vossos comentários quando decido ir ajudar o N. com o jantar.

Mas não resisti. Desculpem mas não resisto a fazer umas traquinices.

Estava o senhor N. muito entretido de garfo na mão a mexer na comida quando eu o abraço por trás. É claro que isto tinha água no bico. Subrepticiamente enfiei um dedo congelado por baixo da camisola dele e encostei-lho à barriga.

Deviam ter visto o salto que ele deu! E a rapidez com que reagiu a querer espetar-me o garfo no rabo?! Ainda vi o caso mal parado… Fugi dali e tentei refugiar-me na casota do Pimentinha mas não cabia, como é óbvio.

 

Acabámos a rir-nos que nem uns malucos do cómico da situação. Eu já não me ria tanto há imenso tempo. Fez-me tão bem. Tenho que voltar a fazer das minhas. Mas a ver se desta vez ele não tem um garfo na mão, senão espeta-mo mesmo!

Depois lá fico eu com um andar novo! Quem me manda a mim meter-me com pessoas perigosas?!

 

Amor Consumado

 

Após algum tempo de afastamento,

                          dois corpos sedentos um do outro

                                                       reencontram-se e fundem-se

                                                                               dando origem a uma

      explosão de estrelas e cometas...

Pág. 1/4